Skip to Menu Skip to Search Contate-nos Angola Websites & Idiomas Skip to Content

A SGS ganhou a reputação de líder mundial de instalações de testes metalúrgico de ouro.

Nossas décadas de experiência nos permitiram montar o uma grande variedade abrangente de conhecimento e de equipamentos para tratar das questões do ouro refratário. 

Os problemas resultantes do ouro refratário são causados por:

  • Encapsulamento físico de partículas de ouro disseminadas (geralmente co tamanho menor do que alguns micrômetros) dentro de um mineral, que é reativo e impermeável à lixiviação. 
  • Interferência de produtos químicos através de um ou mais constituintes do minério no processo de lixiviação de cianeto.

Encapsulamento físico

Para resolver isso, é fundamental entender como o ouro se sucede na rocha (análise de caracterização do ouro). O ouro está isolado? Está fisicamente cercado ou bloqueado em outro mineral? Ou ele está em solução sólida para substituir um outro elemento? O ouro pode ser contatado pela solução de lixiviação de cianeto? Entender essas questões é fundamental para otimizar a recuperação de ouro no desenvolvimento do fluxograma e na solução de problemas da baixa recuperação de ouro. Dependendo das suas necessidades, nós podemos trazer o poder da mineralogia de alta definição para fornecer as principais informações de liberação. A SGS desenvolveu uma série de protocolos de avaliação de testes e mineralogia que nos permite determinar o caráter do ouro refratário e o balanço de massa entre o ouro refratário e o ouro de livre moagem.

Assim que as associações texturais ou de conduta do ouro forem determinadas, e o balanço de massa conhecido, as opções de fluxograma serão desenvolvidas. Ouro em minerais de sulfeto pode ser liberado por oxidação pelo uso de técnicas como a torrefação, lixiviação de pressão de alta temperatura ou lixiviação bacteriana. Além disso, a moagem do minério até um tamanho de partícula extremamente fina podera liberar ouro encapsulado em sulfetos. A SGS tem uma vasta experiência em todas as operações unitárias envolvidas no processamento de minérios de ouro refratários e na escolha do fluxograma ideal para um minério em particular. Nossa experiência em metalurgia de ouro é incomparável. 

Interferência de produtos químicos

Existem dois mecanismos importantes pelos quais a recuperação do ouro é limitada através da interferência de produtos químicos. A primeira acontece quando existem minerais no minério que consomem cianeto ou oxigênio: os dois ingredientes essenciais para a dissolução eficaz do ouro. Neste caso, o caminho mais simples é aumentar as concentrações de cianeto e oxigênio até a espécie degradadora reagir até a conclusão, mas isso muitas vezes não é economicamente viável.

Ao avaliar o benefício econômico do processamento extra que precisa ser feito para melhorar a recuperação de minérios refratários ou parcialmente refratários, é sempre importante considerar a melhoria incremental na recuperação de ouro versus a moagem, a cianetação padrão e o aumento incremental de custos para alcançar esta melhoria. 

A segunda ocorre quando o grafite ou a matéria carbonada está presente. Neste caso, o ouro libera substâncias para a solução de cianeto, mas depois os minerais carbonáticos reabsorvem o ouro novamente para a polpa. Isto é conhecido como "preg-robbing". Os especialistas da SGS irão identificar a melhor solução para o seu minério, pois existem muitos métodos a escolher: 

  • O uso de cloro desativa a matéria carbonácea sob condições fortemente oxidantes. No entanto, o consumo e o custo do cloro são proibitivos para muitos minérios. 
  • A obstrução e a desativação dos minerais carbonáceos com um composto orgânico, como o querosene, é uma alternativa mais barata em relação ao cloro, e foi testada com muitos minérios. No entanto, geralmente não é uma abordagem eficaz. 
  • A oxidação de pressão também não é uma escolha óbvia nestas situações, dado que o material carbonáceo tem potencial para se tornar ainda mais ativo como um adsorvente de cianeto de ouro após este tratamento. 
  • O efeito de "pre-robbing" pode ser parcialmente superado pelo uso de CIL, em vez de CIP, desde que o carvão ativado utilizado no CIL seja mais "ativo" do que a matéria carbonácea no minério. A taxa de equilíbrio do ouro entre a matéria carbonácea e o carvão ativado pode ser muito lenta. No entanto, esta abordagem raramente é totalmente satisfatória. 
  • Técnicas de preparação de minerais (gravidade, flotação, etc.) só foram parcialmente bem-sucedidas na eliminação do carbono grafítico. 
  • A torrefação do minério vai eliminar o carbono grafítico, mas os parâmetros de operação têm de ser cuidadosamente escolhidos para garantir que o carbono grafítico seja queimado, e não convertido em uma forma mais ativa.

Vantagens da pré-concentração

O outro parâmetro que os especialistas da SGS consideram ao projetar tratamentos de ouro refratário é pré-concentrar ou não o minério aurífero. Isso geralmente é feito por flotação de arsenopirita, pirita ou outros sulfetos auríferos. Para ser economicamente justificável, a pré-concentração deve atender a dois objetivos. Primeiro, a recuperação de ouro para o concentrado deve ser suficientemente elevada para que os rejeitos possam ser descartados sem tratamento adicional, e a proporção em massa de concentrado para rejeitos deve ser baixa.

A SGS tem uma vasta experiência com a extração ambientalmente sustentável de ouro refratário. Nossa experiente equipe de profissionais metalúrgicos desenvolveu fluxogramas lucravos para milhares de projetos. Estes fluxogramas são confirmados pelos programas de testes de bancada e de escala piloto, reconhecidos internacionalmente pela comunidade de engenharia, mineração e financeira.

A SGS é líder na indústria de caracterização de ouro refratário. Nós garantimos que você receba um produto de qualidade que corresponda às suas necessidades, desde a exploração das bases até o apoio à produção, e fornecemos o valor interpretativo significativo.